Linguagem Corporal Cultural

Publicado: 15/07/2014 em Posts rápidos

Diz o livro (The Definitive Book of Body Language) que:

  • Japoneses ficam fazendo gestos e sons enquanto você fala, entretanto isto não significa que estão concordando e sim que estão o encorajando a falar mais.
  • Cuspir, arrotar, puxar catarro, é normal para asiáticos, enquanto para ocidentais e europeus não é normal. Esta diferença ocorre pois há muito tempo atrás, na Europa, a tuberculose era uma doença fatal, então o governo incentivava as pessoas a soprarem o nariz para evitar espalhar a doença. É por isso que ocidentais são tão contra o cuspe: isto poderia espalhar a doença ao redor. Para japoneses, entretanto, soprar o nariz em um lenço de papel é algo muito feio.
  • Na Inglaterra mover muito as mãos enquanto fala é considerado sem educação. Na Itália e França, isto é normal.
  • Na Itália, quando duas pessoas estão conversando, elas ficam tocando os braços, mas porque quem tem as mãos no alto tem a palavra. Então para tomar a palavra, a pessoa tem que tocar nos braços da outra e baixar a mão da outra pessoa.

italian

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Né! Culturas!

Up!

Tenho algumas questões que me movem (mesmo que às vezes eu esqueço delas por um tempo), de algumas pessoas que marcaram meu caminho. Algumas são simples, mas que mesmo assim preciso parar e pensar. Já se fez alguma delas?

Quais são seus hobbies? (Yosha)
O que você faz no seu horário livre? (Yosha)
Quem são as 5 pessoas de quem você se cerca? (Hugo)
Estas 5 pessoas que te cercam estão desafiando você o suficiente? (Hugo)
Quão frequentemente você está saindo da sua zona de conforto? (Hugo)
O que está te segurando? (Hugo)
“A questão não é a resposta certa, são as perguntas certas”. Você está fazendo as perguntas certas? (Henrique)
Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez? (Ziza)
O que você não está fazendo e gostaria de fazer? (Robson)
O que te impede de fazer isso hoje? (Robson)

Responde para você mesmo/mesma!

Até!

Esta ideia foi formulada durante o meu ano sabático na Índia, um país onde as religiões são fortes, um momento onde eu vivi e compartilhei por diversas vezes discussões amigáveis com minha colega muçulmana, e em um período onde eu tive tempo para analisar fatos e ideias externas e próprias com calma.

Minha concepção de espiritualidade, e eu digo MINHA, é que há um deus que está presente em cada pessoa, que nos dá forças, e que tem poder sobre cada pessoa (está acima de tudo). Existe o lado bom e o lado mau, balanceado. Não há milagres, não há santos. Jesus foi alguém exemplar que veio para ensinar às pessoas comportamentos adequados. As bíblias (seja a Bíblia do Católico, seja o Alcorão, seja alguma outra), foram escritas por alguma(s) pessoa(s). Não existe um ressuscitar, mas talvez exista vida após a morte, uma espécie de reencarnação de espírito.

Diferentes religiões se contradizem e contrariam e brigam (literalmente) pelos seus credos.
Conclusão 1: Tudo é baseado em crenças. Cada um acredita no que quer, no deus que quer, na história que quer. RESPEITE.
Conclusão 2: No fundo, todas as religiões partem de alguns pontos em COMUM de coexistência entre o ser humano: amor, paz, respeito, bondade.

 

Estilo de Vida

Publicado: 06/07/2014 em Pensamentos / Idéias

Hoje os vídeos são de referência.

Já vou deixar o texto antes dos vídeos. Gostaria de chamar a atenção para os seguintes pontos:

Da visão de sucesso diferente (e que compartilho): pessoa de sucesso é quem encontrou um caminho, um modo de viver, que consegue ajudar as outras pessoas, que consegue ter prazer na vida profissional, que faz aquilo que ama e ao fazer o que ama consegue ajudar as outras pessoas também.

É extremamente importante entender se a pessoa ainda está se divertindo ou se ela já chegou no seu limite. É importantíssimo RESPEITAR os limites das pessoas.

Este já vem de algum tempo atrás: Na montanha, chegar ao cume não é o máximo. É sim importante chegar ao cume, mas mais importante ainda, é voltar vivo até a base.

É importante IR VER. O mundo é grande demais para ficarmos somente com o que existe ao nosso redor. Desapego é importantíssimo para uma vida assim.

SER, é muito maior do que TER.

 

É uma auto-reflexão, mas pode servir para o leitor:
Se eu compartilho dessas ideias e tenho o desejo de uma vida assim, que porra eu estou fazendo com o meu tempo para ter uma vida como essa?

ME DÁ 5 ANOS E MEIO.

Aí os vídeos:

Aprendizados:

um grupo se destaca e começa a crescer, outros não conseguem acompanhar e começam a boicotar.

“Não vamos nos limitar por causa destes”, diz o colega.

#MentePráFrente

 

Estava vendo algumas intervenções urbanas em algumas páginas aqui, e como boa pessoa da área tecnológica, logo me veio em mente intervenção digital, em sites da Internet.

But WAIT, esse tipo de intervenção digital não seria defacement?

Como poderíamos fazer Intervenções Digitais sem ser considerado defacement? Plugins do Chrome? hahahaha

Um dia eu li que essa música é aplicável NÃO somente à SP.

Aliás, música não é feita prá um lugar específico mesmo, prá ser ouvida em algum lugar específico. Se faz sentido prá você, na sua área, está valendo!

 

Né?